Tu serves ao deus do bem ou do mal?

Consta numa fábula que um jovem índio cherokee, após ser injuriado, debochado, por outro jovem, não revidou, mas foi buscar conselho junto a seu avô. Este ancião, em sua sapiência disse: “Eu também, meu neto, às vezes, sinto grande ódio daqueles que cometem injustiças sem sentir qualquer arrependimento pelo que fizeram. Mas o ódio corrói quem o sente, e nunca fere o inimigo. É como tomar veneno, desejando que o inimigo morra.”.

O jovem ficou surpreso, mas ouviu o avô continuar: “Várias vezes lutei contra esses sentimentos. É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom e não faz mal. Ele vive em harmonia com todos ao seu redor e não se ofende. Ele só luta quando é preciso fazê-lo, e de maneira reta.”

E continuou: “Mas o outro lobo… Este é cheio de raiva. A coisa mais insignificante é capaz de provocar nele um terrível acesso de raiva. Ele briga com todos, o tempo todo, sem nenhum motivo. Sua raiva e ódio são muito grandes, e por isso ele não mede as consequências de seus atos. É uma raiva inútil, pois sua raiva não irá mudar nada. Às vezes, é difícil conviver com estes dois lobos dentro de mim, pois ambos tentam dominar meu espírito."

Ao ouvir isso, o jovem ficou ansioso e perguntou: “E qual deles vence?” Baixinho, o avô respondeu: “Aquele que eu alimento!"

A fábula nos mostra que depende de nós conviver bem, ou não, com os outros, nos mostrarmos como pessoas do bem ou do mal. Claro que há momentos em que nos incomodamos, nos enfurecemos com atitudes de outros a ponto de talvez até termos de buscar apoio na Justiça. Sim, quando as agressões, as injúrias, o bulling ultrapassam o nosso limite do lobo do bem, é hora de buscar guarida em quem está estabelecido para nos defender, mas, sobretudo, não querer fazer justiça com as próprias mãos.

Há culturas em que é ensinado que existe o ‘deus do bem’ e o ‘deus do mal’, podendo-se dizer que nós é que fazemos a escolha a qual deles queremos servir. Ter problemas, quem não os tem? Mas, quem tem o ‘deus do bem’ próximo de si, ou que se mantém próximo do ‘deus do bem’, tem apoio para solucionar os problemas.

Circulou novamente na Internet essa historinha: Um garoto perguntou ao pai: "Qual o tamanho de Deus?" Ao olhar para o céu o pai avistou um avião e perguntou ao filho: "Que tamanho tem aquele avião?" O menino disse: "Pequeno, quase não dá para ver." Então o pai o levou a um aeroporto e ao chegar próximo de um avião perguntou: "E agora, qual o tamanho desse?" O menino respondeu: "Nossa pai, esse é enorme!" O pai então disse: "Assim é Deus: o tamanho vai depender da distância que você estiver dele. Quanto mais perto você está dele, maior ele será na sua vida!"

Então, quanto mais perto você estiver do ‘deus do bem’, ou o Deus Onipotente, Deus Triúno, Deus Misericordioso, ou quanto mais perto você estiver do ‘deus do mal’, o Diabo, Satanás, Demônio, Belzebu, isso balizará suas ações, seus atos, suas manifestações, seu tratamento para com o próximo, seja esse seu cliente, seu cônjuge, seu filho, seu amigo, seu governante, ou até seu desconhecido.

Dize-me com quem andas, e dir-te-ei quem és!” Essa máxima revela nossa sinceridade, nossa disponibilidade e nossa vontade de fazer o bem.

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003, Títulos e Documentos
Ano XXI, Mensagem 1.035 publicada no jornal Gazeta Diário em 25/05/2018

BORKENHAGEN 35 ANOS  ESTIMULANDO PESSOAS À PRÁTICA DO BEM!

Deixar uma resposta