Qual é o teu espírito de Natal?

Natal é festa, é pinheiro enfeitado, é cidade enfeitada, é ceia, é presentes, é foguetório, é reunião familiar, é viagem, é …

Um dia alguém escreveu que Jesus nasceu no primeiro Natal. Mentira!
Nem os judeus (povo escolhido por Deus) nem os gentios (povos aceitos depois) instituíram o Natal na noite em que Jesus nasceu. Isso aconteceu muitos anos depois.
[Onde surgiu o primeiro Natal?
Em Roma, a primeira referencia ao Natale Domini (Natal do Senhor) remonta ao ano de 336. O dia 25 de dezembro (solstício de Inverno, no mesmo Calendário Juliano) era na Roma pagã, desde o tempo do Imperador Aureliano (reinou de 270 a 275), consagrado ao Natalis Solis Invicti (Natal do Sol Invencível)
.]
Biblicamente foi profetizado que Deus enviaria um ‘redentor’ para o povo pecador.
Para quem acompanha a Bíblia certamente terá lido sobre a queda de Adão e Eva em pecado.
Eles não respeitaram o termo que resume todo o relacionamento com Deus: SUBMISSÃO.
Aceitaram o ‘canto da sereia’, a voz de quem ‘quer ver o circo pegar fogo’, para desviá-los do compromisso que deveriam ter para com seu Criador.
O fato de não ter havido perdão para Adão e Eva, é assunto para religiosos das mais diversas denominações explorarem, especularem e contarem a sua versão, mas que a humanidade (todos os nascidos a partir de Adão e Eva, e os nascidos a partir de Sem, Cão e Jafé) foi ‘condenada’, isso não há como contrariar.

Deus, como sendo “Deus de amor” precisou mostrar que, de fato, amava sua criação e traçou um plano para ser seguido por todos que aceitassem a Jesus, como segunda pessoa da Trindade, a nascer em forma humana, ter um tempo de passagem na Terra e retornar ao céu. Se a Trindade ficou desfalcada durante o tempo de Jesus na Terra, não é assunto para agora, mas para os cristãos aceitar a obra de Deus através de Jesus, é o que é confessado, crido e professado. Quem não segue o Cristianismo pode ver o Natal de forma diferente, adaptando a data à sua crença, tal qual os cristãos trouxeram para sua crença, conceitos, práticas do mundo pagão, adaptando-as à sua fé. A palavra final, infalível, só será ouvida de Deus o Todo Poderoso, o Onisciente, o Onipresente, o Misericordioso, quando aos humanos vier o julgamento. Livre-se das especulações dos ‘entendidos’, mas tão somente aceite o que seu coração diz ser verdade, pois se: “em tudo o que você fizer, você pode sentir paz com Deus, então está certo!” Deus não criou os humanos para terem pensamentos e sentimentos perversos!

Natal, como foi dito por integrantes da Equipe Borkenhagen, quando da busca individual de um mimo de Natal, tem características tão diversas, como são diversas as denominações às quais pertencem os integrantes da Equipe. Muito bonitas as manifestações reforçando o sentimento de pertencimento à familia consanguínea, à familia laboral, à família de conveniências e oportunidades; outras reforçando a origem do Natal: o nascimento de Jesus, a necessidade do perdão, a oportunidade do recomeço, a oportunidade de vida nova; alguém mencionou que o clima na Equipe é muito bom e que paira no ar um sentimento de vontade de vencer, de dar a volta por cima; ainda houve a manifestação de acontecimentos impactantes e que, devido a esses, o crescimento esperado para o próximo ano não é de apenas o dobro; houve a observação do cuidado que devemos ter em julgar membros de equipe que deixaram de pertencer ao quadro, ou clientes que deixaram de ter nosso atendimento; a individualidade, a diversidade de pensamentos, de gostos, de comportamentos foi mencionada e que, se soubermos respeitar as diferenças, poderemos propagar o sentimento natalino durante o ano todo.

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 21/12/2018 no jornal Gazeta Diário – Ano XXI – Mensagem 1.065

BORKENHAGEN 35 ANOS  FORTALECENDO A CRENÇA NO NATAL CRISTÃO!

Complementando:
Abaixo trazemos um texto digitado a partir de um áudio recebido de Erica Borkenhagen:

Alô meu povo!
O que vai ser de você, heim?
Quando atravessar aquela rua pela última vez, trancado, deitado, carregado por seis; de um lado três e do outro, mais três?
E você nem vai saber a importância que fez!
Tem gente que morre importante, vira nome de rua, de praça; a família se emociona, mas tudo isso passa.
O soldado que morre na guerra, a medalha vai pra família, pai, mãe, filho, filha, mas na hora da batalha, aquele campo gigante, alguém disse ao soldado o quanto ele era importante?
As menções e as flores, depois da morte, ninguém vê!
Olha pro teu amigo, pro teu irmão, pra tua irmã, agora! Não hesite em dizer: Como eu gosto de você!
Afinal, todo mundo erra. Parece que é perfeito, depois que está embaixo da terra.
Aí é tarde!
Se você não elogia em vida, considere-se um covarde!
Olha pro seu próximo, mas tem que ser agora!
Diga-lhe  o quanto gosta dele! Não precisa falar que adora!
A amizade é um bem precioso. Pra se conquistar, demora!
Faça valer à pena, hoje!, se amanhã o amigo for embora!
Não mesquinhe amor nesse Natal, pois perder oportunidade pode ser fatal!
A quem esteja carente de amor, mostre-lhe que não precisa viver na dor!
Como podes ser irmão ou irmã de Jesus, se aos outros tu desejas a cruz?
Orar, rezar, em secreto, tudo bem, mas abraçar, desejar Feliz Natal, procure fazer de perto, também!

Áudio enviado por Erica Borkenhagen – Autor desconhecido

Ah, e não esquecendo:
Quem tem Jesus, tem Natal; quem não tem Jesus tem só um feriadão!

 

Deixar uma resposta