Chega de violência!

Quando apreciamos o noticiário e nos detemos na matança de jovens numa escola pública em Suzano-SP, podemos nos perguntar tal qual o profeta Habacuque, conforme registro na Bíblia, no Antigo Testamento: Por que me fazes ver tanta maldade? Por que toleras a injustiça? Estou cercado de destruição e violência; há brigas e lutas por toda parte. – Mensagem de Esperança – Hora Luterana.

Sim, onde encontrar forças para situações assim? O que tem de culpa, os pais desses jovens mortos a tiros? O que tiveram de culpa esses jovens mortos e outros atingidos por balas? Tiveram tempo, oportunidade, de estarem em paz com Deus, antes de serem mortos? Irão para o céu, ou não?

O que será dos demais alunos, tendo sempre presente em suas mentes o terror do morticínio? Vai adiantar pintarem o colégio, trocarem pisos, darem uma outra cara ao educandário, para amenizar a situação?

O que se pode fazer em questão de segurança pública? O que dirão os céticos quanto à possibilidade de o cidadão ter uma arma? Irão generalizar que agora o bandido pode ter arma? Sempre teve! Daí vem à mente uma mensagem que circula atualmente: “Por que em colégios militares não tem tiroteio se lá tem um monte de armas?”.

O caso serve para reflexão, com certeza! Há males que vêm pra bem. Primeiro os 10 jovens mortos queimados vivos dentro de um container, agora 10 pessoas mortas em uma escola. Os próximos 10 mortos serão numa igreja?
Não é impossível, pois os derrotados na eleição passada já ameaçaram matar ‘crentes’ que apoiaram a campanha de Bolsonaro. Postaram até vídeos com palavras de ordem, alertando para que se preparassem. Isso é cruel!

Vigiai, pois não sabeis nem o dia, nem a hora! O fim virá, quando se menos espera. Não precisa ser a desintegração do mundo, globo terrestre, da nossa cidade inundada por lama, mas o nosso fim. Fiquemos atentos, pois Deus pode usar bandidos como instrumentos para nos chamar a atenção de que a Ele pertence todo o poder!.

Os jovens, em Suzano, não  mataram porque o porte de arma é um projeto do atual governo. Os jovens não mataram porque jogavam jogos violentos. Os jovens não  mataram porque a escola foi omissa. Os joens não  mataram porque sofreram Bullying…

Eles mataram porque as famílias estão  desestruturadas e fracassadas; porque não  se educa mais em casa; não  se acompanha  mais de perto, o que os filhos vêem, jogam, postam; a tecnologia substitui  o diálogo; presentes compram limites, direitos e  deveres e não há o conhecimento e respeito a Deus.

Precisamos parar de nos omitir, de transferir culpas. A culpa é minha, é sua, é de todos nós!

"A violência é  o desdobramento de carências afetivas, da necessidade de ser visto e notado, ainda que da pior maneira". – Pe.Fábio de Melo

Quando o casal Richthofffen foi morto, inclusive pela própria filha participando do crime, muitos quiseram “cair de pau” sobre a jovem Suzane, mas esqueceram  que os pais tinham uma vida social muito agitada, não sobrando tempo para conviver mais com os filhos. Como se isso não acontecesse em muitos lares hodiernos.
Como se hoje não existissem crianças escrevendo na redação da escola que gostariam de ser um celular, para poderem merecer a atenção dos pais!

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 22/03/2019 no jornal Gazeta Diário – Ano XXI – Mensagem 1.078

BORKENHAGEN 35 ANOS  VALORIZANDO A ATENÇÃO E O RESPEITO!

 

Deixar uma resposta