E a mãezinha completa 88, hoje!

Coluna Mensageiro
Em pleno Grünndonnerstag, Quinta-feira Santa, Endoenças, ou como se identifique o dia que antecede o dia da Sexta-feira da Paixão (de Cristo) ela, a minha mãe, Edith Tereza (Lentz) Borkenhagen, completa 88 anos. Filha de Adolf Lentz e Melita (Mertens) Lentz, ainda tem como irmãos: Erich, Emil, Edmund, Villi, Valdi e Helga. Vindo de família de 7 irmãos, ela, casada com Otto Borkenhagen, o nenê da família, de 10 filhos, de Adolf e Bertha (Steinke) Borkenhagen, também deu vida a 7 filhos: Erica, Helma, Edvino, Traudi, Osmar, Marli e Marlene.

Tá, e daí vai descrever a árvore genealógica da família? Claro que não, mas quem teve mãe, quem tem mãe, quem é mãe, sabe o valor da vida gerada dentro de uma mulher. Apesar de que uns ‘doentes’ queiram deturpar a relação homem-mulher, querendo fazer os outros acreditar que o mundo bem poderia ter começado com 2 ‘Adãos’. Acredito que tu não sejas desse tipo. Por certo que não, pois se o fosses nem te agradaria ter lido outros artigos publicados através da Coluna Mensageiro. Pra quem viu/ouviu o discurso do presidente Bolsonaro no evento que reuniu os prefeitos do Brasil, onde ele enalteceu o amor pátrio das pessoas presentes e fechou dizendo que “a maioria deve ser temente a Deus”, percebemos que volta a ter espaço o testemunho de fé, o testemunho de submissão à obra de Deus, na Criação de Adão e Eva.
Mas o que chamou atenção, dentre outras, no discurso de Bolsonaro foi ele pedir a união de todos, pois como disse: “não adianta só presidente, governadores e prefeitos agirem, mas o povo precisa se unir nesse projeto” para tornar nossos filhos melhor do que nós somos, hoje!”. Ele disse isso quando mencionou que o governo é a favor do Bolsa Família, tanto é que estaria anunciando a confirmação do 13º para quem ganha o Bolsa Família, mas observou que isso não é o bastante, pois o que deve nos diferenciar é o conhecimento. É conhecimento que devemos propiciar às pessoas! Volto a utilizar a frase do meu professor do tempo do Ginásio: “Conhecimento não é o que você detém, mas o que você compartilha!”. Qual pai, qual mãe, deixaria de querer ter acesso a mais conhecimento, ou deixaria de querer mais conhecimento para seus filhos?

Aí é que está a importância do papel de mãe! Ela é que vive em contato com os filhos muito mais tempo por dia, do que o pai. Em geral é ela que acompanha as tarefas dos filhos, verifica se os filhos fizeram a tarefa de casa; ajuda a que façam as pesquisas solicitadas na escola; sabe, por primeiro, as notas lançadas no boletim. Então que busque mais conhecimento, propicie mais conhecimento aos filhos, para o bem da criança, do adolescente, do jovem. Não permita que prosperem essas doutrinações ideológicas nefastas que em algumas escolas tem sido disseminadas, mas permita que seus filhos se tornem pessoas de bom raciocínio, de boa profissão, de boa renda, de boa personalidade.
Agora, como estamos no tempo da Quaresma, te convido a refletir com os demais leitores e demais leitoras, sobre a obra de Deus, em Jesus Cristo. A grandeza dessa obra precisa ser disseminada para que outros a conheçam e a aceitem para a vida pós-morte ser de alegria, e não de tormentos.
Agradeço a mãezinha que me ensinou a orar e me estimulou a gostar da escola dominical e das leituras bíblicas. Por isso me sirvo desse espaço para pedir a Deus que lhe dê um Feliz Aniversário.  

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 18/04/2019 no jornal Gazeta Diário – Ano XXI – Mensagem 1.082

BORKENHAGEN 36 ANOS  VALORIZANDO A FAMÍLIA E O CONHECIMENTO!

 

Deixar uma resposta