Jó, Deus e o câncer

Coluna Mensageiro
– Os luteranos tanto da IELB quanto da IECLB estão fazendo reflexões, no livro Castelo Forte, sobre o personagem bíblico Jó, do qual há registros de muito sofrimento.

Pode parecer que Jó foi um ingrediente, uma peça, de uma aposta entre Deus e o Diabo. Quem se escandaliza com essa afirmação, coloque-se no lugar de Jó! Ele era abençoado em todas as áreas: era casado, tinha filhos, muitos animais, propriedades e empregados, diz o relato. Era um homem justo e temente a Deus.
O Diabo provocou Deus, observando que Jó era justo, era fiel, sim, mas que se lhe tirasse os bens, lhe tirasse os filhos, veria como se comportaria perante Deus.
Pois bem, Deus consentiu; Deus entregou Jó ao Diabo!Faça o que quiser a ele, mas não toque nele!”.

Jó sofreu abandono de amigos, perdeu os filhos e não teve apoio dos familiares, perdeu a tranquilidade, perdeu a segurança, mas como pregam os religiosos: Jó não perdeu a confiança em Deus, apesar de ter até amaldiçoado o dia de seu nascimento.

Quando uma enfermidade alcança uma pessoa, logo aparecem os ‘doutores da fé’ para dizer que as provações fazem parte, para nos tornarmos melhor perante Deus. Como?
Temos que sofrer para nos aproximarmos de Deus?
E o sacrifício de Cristo pela humanidade, o que significa para esses pregadores?
Querem dizer que toda pessoa que sofre foi alvo do amor de Deus para torná-la melhor?
Sim, nas aflições é muito bom teramigos de verdade”, ter “irmãos de verdade”, ter “familiares de verdade”, mas é muito mais importante não se afastar da crença de que mesmo sofrendo neste mundo, se continuar acreditando que os pecados serão perdoados mediante a obra de Jesus na cruz, a vida eterna lhe estará assegurada.

Quando uma pessoa de nosso relacionamento estiver numa situação de sofrimento, coloquemo-nos próximos a ela, fiquemos em silêncio, a abracemos, choremos junto com ela, pois isso lhe poderá ser de maior alívio do que ela se sentir julgada por nossa ‘perfeição’.

Pregam que Deus não é um castigador, enquanto vivemos, mas que castigará, após a morte terrena, aqueles que o negarem. Que Deus pode aplicar sofrimentos a pessoas escolhidas por ele, para servirem de instrumento para chamar a atenção de outros próximos a elas, é bem verdade.

Enquanto se passa o mês de Outubro, vemos, ouvimos, e lemos sobre “Outubro Rosa”, como época para chamar à atenção as mulheres para que cuidem de seu corpo, se apalpem, se toquem, se sintam, se preservem, pois a vida é uma só, e será muito melhor se puderem viver sem o câncer de mama!

Sofrer, tal como foi para Jó, cujos filhos viviam a festar, sem ele impor limites, pode ter o significado de que também nós podemos ser entregues ao Diabo para que Deus saiba se resistiremos e se nos manteremos na fé. Muito cuidado ao julgar os outros! Muito cuidado ao se penitenciar dizendo que “Deus está me castigando porque fiz isso, porque fiz aquilo, …” Pode não ser exatamente esse o significado.

Mantenha a humildade e a submissão!

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 25/10/2019 no jornal Gazeta Diário – Ano XXII – Mensagem 1.109

BORKENHAGEN 36 ANOS  AUXILIANDO E ALERTANDO PESSOAS A PRESERVAR A SAÚDE!

Deixar uma resposta