INÍCIO     |     NOSSA EMPRESA     |     ORIENTAÇÕES    |     MENSAGEIRO     |      ARTIGOS      |     ENTRETENIMENTO    |      BORKINFO     |     FAMÍLIA BORKENHAGEN

Início | Artigos, Manifestos e Reflexões | Reflexões | Arquivos | Ganz andere

Ganz andere

“O Céu revela por seu próprio modo de ser, a transcendência, a força, a eternidade.

Ele existe de uma maneira absoluta, pois é elevado, infinito, eterno, poderoso”

 (Mircea Eliade 1907-1986)

 

Ganz andere” é uma expressão inspirada pelas idéias do teólogo protestante Rudolf Otto (1869-1937) e que aparece na introdução do clássico “O Sagrado e o profano: a essência das religiões” de autoria de Mircea Eliade. O sentido da expressão aponta para aquilo que é grandioso e “totalmente diferente”. Em relação ao “Ganz andere”, o homem tem o sentimento de sua profunda nulidade, o sentimento de não ser nada mais do que uma criatura, segundo os termos com que Abraão teria se dirigido ao Senhor – de não ser senão cinza e pó (Gen: 18:27). “Ganz andere” se identifica com aquilo que o homem religioso interpreta como a materialização extrema do sagrado. Uma experiência possível de ser experimentada ao se observar durante a noite a imaginária esfera celeste com seus infinitos pontos luminosos. 

Desde a sua primeira publicação ao final dos anos de 1950, o livro de Eliade pode ser considerado uma das obras mais lidas em todo o mundo pelos pesquisadores das religiosidades e interessados no assunto. Escrito numa época em que não havia grandes motivos para prever o “fervor religioso” do final de século, o livro de Eliade tem o mérito de concluir que conhecer a história do homem religioso através dos tempos é conhecer a sua própria história. Uma das constatações da minuciosa pesquisa realizada por Eliade, é que mesmo entre os que negam sua religiosidade, é possível constatar procedimentos “religiosos” ocultos nas trevas do inconsciente.

Uma das questões mais interessantes discutidas pelo autor é sobre o “tempo sagrado”, aquele que se materializa no imaginário religioso de muitas culturas e que se renova a cada ano. Como a “eternidade” é um conceito espiritual muito utilizado, mas de difícil definição, o “tempo sagrado”, também denominado por algumas religiões de “tempo litúrgico”, tem a finalidade de estabelecer uma “sequência de eternidades” periodicamente recuperáveis durante as festas religiosas. “O homem religioso desemboca periodicamente no ‘tempo sagrado’ e reencontra o tempo de origem, aquele que não decorre”, finaliza Eliade. O “tempo sagrado” torna a eternidade acessível aos que crêem. No caso do Cristianismo, a comemoração do nascimento de Cristo se identifica com o “tempo sagrado” e pode ser considerada uma manifestação daquilo que foi considerado “totalmente diferente” e que apesar de permeado por muitas secularizações, funda uma nova situação para o homem no Cosmo. Na celebração do Natal, o mundo cristão teria a chance de se renovar reencontrando a cada novo ano a santidade original. 

Os processos de secularização levaram o mundo a uma “modernidade líquida”, marcada por “relacionamentos frouxos” que ameaçam dissolver a força simbólica do “tempo sagrado”. Porém ele ainda se faz presente como testemunho de tempos imemoriais que antecedem o próprio tempo do Cristianismo. As estrelas visíveis da esfera celeste continuam a nos confidenciar segredos de um tempo longo, absoluto, infinito, eterno. O “tempo sagrado” embora erodido na aparência é indestrutível na essência e torna possível o tempo ordinário em que se desenvolve toda a existência humana. O “Ganz andere” se ressignifica, resiste e indica sentidos para um mundo que ameaça diluir-se.

Avenida Salvador Guerra, 80 - Jardim América - Foz do Iguaçu, PR | Fone/Fax: 45 3028 6464

Borkenhagen Soluções Contábeis Ltda.

Copyright © Desde 1997 - Direitos reservados