E quando a greve acabar?

Sim, quando a greve acabar como você vai se comportar?
Você que ainda tem mais de meio tanque de gasolina, vai correr para o posto já no primeiro dia, ou vai deixar que aqueles que estão secos abasteçam primeiro?
Ou quem sabe vai doar parte dos alimentos que estocou, para alguma escola ou hospital com maior urgência?
Você vai continuar comprando na frutaria pequena do seu bairro que não ficou desabastecida porque compra de produtores locais, ou vai correr para as grandes redes de supermercado, e esquecer que ela existe?
Vai acabar com os rodízios de carona na turma da escola dos seus filhos e voltar a entupir a porta da escola e o trânsito em filas intermináveis de carros?
Vai seguir preocupado sobre como seus empregados virão trabalhar?
Vai pensar no catador e separar melhor o seu lixo, que só não está com uma pilha maior na frente da sua casa, pois ele tem passado lá, com aquele carrinho que tanto lhe atrapalha no trânsito?

Nosso comportamento durante esta greve diz muito sobre nossos hábitos de consumo, e a forma como nos relacionamos em sociedade. Fala muito sobre egoísmo, empatia e solidariedade; a falta, no caso.

Lembro de ter visto diversas vezes, quando um colega de trabalho fica sem carro por alguns dias, outro colega prontamente lhe oferecer carona, afinal “não me custa nada”. Por outro lado, infelizmente, não lembro de ter visto o mesmo oferecer carona àquele outro colega que não tem carro, naqueles dias em que São Pedro despeja baldes de água sobre nossas cabeças. Pena também, não ter visto aquele que tem três carros em casa, que mora e trabalha na mesma cidade, e que obviamente encheu o tanque dos três, oferecer alguns litros desse precioso líquido, para outro colega que mora longe poder vir trabalhar durante a greve.

Mesmo lamentando perceber tudo isso, eu entendo este comportamento. Nessa hora, o individualismo aparece, pois infelizmente não temos a certeza que o outro faria o mesmo por nós. Não confiamos mais no próximo. Não somos solidários, ou só “somos” durante campanhas do agasalho, onde muitas vezes o que nos motiva a limpar o armário é arrumar mais espaço para poder comprar mais.

Nos tornamos pessoas pouco empáticas, incapazes de calçar os sapatos dos outros. Em todos os nossos tipos de relacionamentos, trabalho, família, sociedade, relacionamentos afetivos, machucados e descrentes que estamos, perdemos a confiança nas pessoas. Então fica aqui o convite à reflexão sobre a forma que você se relaciona em sociedade e até sobre seus hábitos de consumo.

Dá sempre para fazer diferente, oferecer carona, separar seu lixo, consumir menos, comprar daquele mercado ou lojinha pequena do seu bairro, onde você pode ir até mesmo a pé e ainda colabora com o desenvolvimento daquela região, enfim!
E dito tudo isso, tenho certeza que descrentes dirão: Isso nunca vai acontecer! E com o coração ainda cheio de esperança, eu lhes respondo: Alguém tem que começar. Que sejamos nós!

Marco Tadeu Barbosa – Presidente da FACIAP

NOTA: Esse manifesto do presidente da Faciap, pode ser o pensamento meu, teu, nosso, de muitas pessoas do bem, e das que relutam em fazer o bem.

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 01/06/2018 no jornal Gazeta Diário – Ano XXI – Mensagem 1.036

Se lhe restar tempo e disposição de nos enviar sua apreciação, clique aqui.

Comportamentos:

Japão – Após o Tsunami a população comprava o estritamente necessário, para não prejudicar o próximo.
E.U.A. – Após o estrago do furacão Katrina, o comércio vendia bens a preço de custo para ajudar a população.
França – Depois dos atentados terroristas os táxis faziam corrida grátis para a população.
Brasil – Greve de caminhoneiros – Comerciantes chegaram a vender gasolina a R$ 9,99 o litro, a batata foi reajustada em 90%, e a alface chegou a quase R$ 7,00 o pé. Ah, e o tão procurado gás de cozinha foi da casa dos R$ 80,00 para R$ 135,00. O nosso problema não é apenas culpa dos políticos!

BORKENHAGEN 35 ANOS  SEMEANDO A PRUDÊNCIA E A COERÊNCIA!
 

Deixar uma resposta