KINNERET: Pequeno em tamanho, grande em história

Conhecido também por Mar de Tiberíades,nome que decorre de importante cidade fundada na região à época de Cristo, o mar da Galileia, como é mais conhecido,constitui hoje recurso hídrico de enorme importância para Israel. Há canalizações que permitem o abastecimento de cidades com água doce e para irrigação de campos.

A forma de harpa do mar (Kinneret em hebraico), fez com se chamasse assim, aquele lago em tempos mais antigos. Genesaré é ainda outro nome conhecido daquele espelho d’água que transborda simbolismo e história.

A respeito deste mar, os rabinos costumam dizer que embora Deus criasse os sete mares, Ele teria escolhido este como o seu deleite especial. A crença parece fazer sentido se pensarmos que grande parte do ministério de Jesus tenha ocorrido às margens do Kinneret.

A pouco mais de 200 metros abaixo do nível do mar Mediterrâneo, o Kinneret recebe as águas do Rio Jordão e depois as libera por um vale que segue até o mar Morto. Sua circunferência dá pouco mais de 50 quilômetros e tem aproximadamente 167 km2 de superfície. Para se ter uma ideia, quando no nível normal, o lago artificial de Itaipu no Estado do Paraná, BR, forma um espelho d’água de 1.350 km2.

No Kinneret se pode pescar peixes conhecidos no Brasil, como é o caso da carpa e a tilápia. Identificamos a tilápia como o “peixe de São Pedro”. Tivemos oportunidade de provar a iguaria no kibutz Ein Gev que fica na praia do lago, experiência praticamente obrigatória aos visitantes da Galileia.

Nos tempos de Cristo, havia uma faixa de povoamentos à volta do lago, muito comércio e transporte por barco. No entanto, sabe-se que a Galileia era uma região mais pobre do que a Judeia, de modo que a população do local atravessava momentos difíceis durante o primeiro século de nossa era.

Pelas histórias que ali aconteceram, o mar da Galileia parece ser muito maior do que de fato é. De acordo com os relatos evangelísticos foi na praia deste pequeno mar de água doce que Jesus recrutou alguns de seus discípulos: o pescador Pedro, seu irmão André, e os irmãos João e Tiago.

Sabe-se de ter acontecido ali pescas milagrosas, tempestades, passeio sobre as águas, e de um encontro na praia onde foi servido pão para 5.000 homens, sem contar as mulheres e crianças que os acompanhavam.

Próximo à praia se ouviram palavras que atravessaram os dois milênios seguintes: “Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus”.

O apóstolo João conta que o principal personagem responsável pelas histórias que aconteceram naquela paisagem, depois de ressuscitado, apareceu certo dia, bem cedinho, aos seus amigos na praia, porém eles não o reconheceram de pronto. Só se tocaram depois que a rede de pesca se encheu de peixes.

Autor: Tarcísio Vanderlinde

Foto cedida pelo autor:

O Kinneret visto a partir do sítio arqueológico da cidade de Cafarnaum.

Foto colhida na Internet:

Kinneret = Mar da Galileia = Mar de Tiberíades = Lago Genesaré onde, à direita, está o kibutz Ein Gev, mencionado pelo autor


A FOLHA UNIVERSAL Nº 1.377, de 02/09/2018 traz um editorial muito interessante, mencionando o Mar de Tiberíades, ou da Galileia e o Mar Morto, fazendo um comparativo com relação a políticos e eleitores.
Com certeza vale à pena ler:

BORKENHAGEN 35 ANOS DANDO ESPAÇO A BONS CONTEÚDOS!

 

Deixar uma resposta