Se as águas do mar da vida, quiserem…

Coluna Mensageiro
– Com certeza você, sendo católico, luterano, espírita, muçulmano, batista, judeu, anglicano, da umbanda, xintoísta, pentecostal, budista, ou mesmo agnóstico, já deve ter ouvido a canção:
Se as águas do mar da vida, quiserem te afogar, segura na mão de Deus e vai!
Se as tristezas desta vida quiserem te sufocar, segura na mão de Deus e vai!
Orando, jejuando, confiando e confessando, segura na mão de Deus e vai!
Jesus Cristo prometeu que jamais te deixará, segura na mão de Deus e vai!

Ainda que na religião de alguns, Jesus Cristo não seja o Salvador prometido, e seguido pelos cristãos, convidamos a esses a que também prossigam na canção:
Segura na mão de Deus, segura na mão de Deus, pois ela, ela te sustentará. Não temas, segue adiante, e não olhes para trás; segura na mão de Deus e vai!

Com tanto alarde que alguns meios de comuinicação fizeram;
com tanto pânico que outros meios de comunicação semearam;
com tantos governantes obcecados em não deixar ponto negativo ser assinalado em seu currículo político, talvez com vistas à reeleição, ou para reforçar seus pontos positivos, aconteceu:
– acabaram as pessoas, os cidadãos, encurralados, isolados, distanciados uns dos outros, de colegas, de vizinhos, de irmãos de fé, de amigos da vida social, e assim por diante,
– para, em nome da segurança própria e de pessoas mais vulneráveis, pessoas integrantes de grupos de risco, não serem acometidas por um vírus.
Esse vírus não cai das folhas de árvores;
Esse vírus não desce dos céus pela chuva;
Esse vírus só chega a uma localidade, a um município, se ali ingressar (seja de visita, ou de retorno) alguém que tenha estado em contato com outrem infectado, talvez em outro país, talvez em outra cidade.

Não há como alguém ser contaminado ficando em casa (desde que todos os demais moradores da cidade fiquem em casa) por força de decreto.
Não há como ser contaminado se não ingressar na cidade alguém já contaminado e tiver contato com moradores (locais).
Então, pessoas saudáveis não precisariam permanecer em “prisão domiciliar” enquanto certas pessoas que deveriam estar reclusas, seja em seu domicílio, seja no cárcere, estão livres!

Aos infectados poderíamos parafrasear, ou plagiar:
Se o mal do, coronavírus, acaso te atacar, segura na mão de Deus e vai!
Se a baixa imunidade deixar te nocautear, segura na mão de Deus e vai!

Se indicam o isolamento para a tua segurança, aceita o distanciamento enquanto há esperança.
Não sejas cabeça-dura, mas rende-te a quem te ama.
Para o povo da saúde, a vida é dura, pois se expõe a quem o vírus é um drama.

Batamos palmas aos policiais, aos bombeiros e aos fiscais;
batamos palmas aos produtores, aos vendeiros e aos transportadores;
batamos palmas para os iluminados gestores que permitiram, ao menos uma parcela da população ativa continuar a atividade por considerá-la essencial;
batamos palmas aos militares, médicos e auxiliares;
batamos palmas aos estudiosos que buscam uma solução, e
oremos para que Deus ilumine a mente dessa gente estudiosa e pesquisadora,
para que em breve possamos voltar ao trabalho, à escola e à igreja, para reconhecer e agradecer!
Repasse, se aceitar!

Edvino Borkenhagen
Crédito da figura: Freepik

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 27/03/2020 no jornal GDia – Ano XXII – Mensagem 1.131

BORKENHAGEN 36 ANOS  AGINDO COM SERENIDADE, ORDEM E DECÊNCIA!

 

Deixar uma resposta