Sem mulher o homem não seria homem!

Coluna Mensageiro
Chocante, não é?!
Se fosse colhido sêmen de um homem, saudável, e fosse inseminado numa vaca ou numa cachorra, por acaso nasceria um ser humano, um menino, o qual mais tarde viraria um rapaz e, mais adiante, um homem?
Deus criou a natureza e todos os seres viventes com uma maestria que só ele teve!

Quando o Brasil estava sendo colonizado, as casas, em sua maioria, eram feitas de madeira extraída da mata derrubada para utilizar a terra para lavoura.
As vigas para o alicerce de uma casa eram colocadas sobre cepos de madeira dura, forte.
Sobre as vigas vinham os barotes e, sobre os barotes o assoalho.
As paredes externas, assim como as divisórias, eram de tábuas brutas, apenas serradas e o espaço que sobrava entre elas, as frestas, era coberto com matajuntas, o que impedia a entrada de luz, de chuva, de insetos e de traças.
Pensas que vamos falar dos pés-direito, das escoras, da cinta, das linhas e das travessas onde era afixado, por baixo o forro, e sobre as quais (travessas) eram afixados os caibros, nos quais eram pregadas as ripas a acolher o telhado e sobre esse eram colocadas cumeeiras?
Não, isso tudo numa casa, na construção de uma casa, só seria possível se os cepos fossem bem assentados e fossem cepos de cerne.

Tal qual para se construir uma casa, também para se construir uma família, ou para se construir um empreendimento, temos que ter “cepos” selecionados.
Ah, numa casa se o cepo principal, o cepo angular, apodrecesse, fosse danificado, ou fosse arrancado, a casa ruiria, na certa.
Por isso a mulher era considerada o cepo angular.
Se fosse judiada pelo marido, se adoecesse, se morresse, se fosse desprezada ou se para outra casa/família migrasse, essa, onde ela deixou de existir, não seria mais a mesma casa, não seria mais a mesma família, não seria mais o mesmo empreendimento, não estaria mais sobre o firme alicerce!

Estatisticamente, os homens não alcançam a longevidade da mulher; morrem antes. Assim, temos mais viúvas do que viúvos. É só visitar um clube de idosos!
E por falar em clube de idosos, podemos ver,  nas matinés, viúvas dançando com viúvas, mas não se vê viúvos dançando com viúvos.
Esse comportamento advém do tempo em que o homem era o provedor da casa.
Os tempos mudaram, novas profissões surgiram, a mulher deixou de ser apenas a dona de casa,mas encarou desafios, estudou mais e passou a viver a liberdade que antes não podia desfrutar.

Neste 13 de maio, se nos lembrarmos que os escravos deixaram de ter donos ou proprietários, temos muito mais que observar que as mulheres, que nunca tiveram donos, ou proprietários, ainda hoje, muitas vivem como que escravas dentro de casa, onde maridos, ou companheiros as tratam como quem deva satisfazer seus caprichos, em vez de a elas dar o devido valor e, ampará-las e apoiá-las.

Mulheres não têm donos; mas estão em posição de igualdade com os homens, respeitada a natureza com que Deus dotou cada um: homem e mulher.

Tendo sua profissão, seu dinheiro, seu plano de vida, ela tende a criar insegurança a determinados homens, os quais, devido a seu comodismo, deixaram de estudar, mas ainda pensam que são os dominadores, o macho-alfa, o dono de sua mulher ou de mulher que com ele trabalhe.

Respeite a liberdade e o direito da mulher!

Edvino Borkenhagen
Imagem, Crédito: Diana Yogaterapia

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 13/05/2022 – Ano XXIV – Mensagem 1.242
Leitura crítica antes de publicar, por: Eunice Mariza Borkenhagen dos Santos

BORKENHAGEN 39 ANOS  ENALTECENDO O VALOR DA MULHER!

 

Deixar uma resposta