E a tua saúde, quanto vale?

Coluna Mensageiro
– Afinal de contas o que uma coluna semanal de uma organização contábil que trabalha os números de pessoas jurídicas e de pessoas físicas, poderia trazer de subsídios para eu avaliar quanto vale a minha saúde?
Ah, sim! Num escritório contábil, de um contador ou técnico em contabilidade, autonômo, ou numa organização contábil, integrada por sócios com formação em ciências contábeis e/ou em cursos afins, realmente são tratados números dos clientes.
Mas, vem cá: Os números gerados pela atividade desses clientes podem atestar saúde ou doença?
Antes de conferirmos se é viável atestar que a saúde de uma pessoa jurídica ou física possa ser medida apreciando números, vamos para a saúde física das pessoas naturais, as pessoas físicas.

Quando, durante a leitura de um artigo, numa folha, num livro, na Bíblia, ou noutro livro que tenha letras mais miúdas, percebesses que terias que ajustar a distância do escrito, o que alguns dizem que ‘o braço começou a ficar curto’, irias agendar a consulta a um oftalmologista. Não havendo plano de saúde, seria o oftalmologista com o menor valor da consulta; o que te desse o melhor diagnóstico; ou um que te desse lá uns 70% de certeza?

Se tua respiração começasse a se mostrar não tão regular, te sentisses ofegante, dependendo da hora, ou do trabalho executado, e uma tosse intrigante te incomodasse, irias agendar consulta com um pneumologista, para saber da saúde dos pulmões. E, igualmente, não havendo plano de saúde, como escolherias o profissional? Pelo valor da consulta? O profissional recomendado por pessoas que tiveram excelente recuperação, ou um profissional que te desse uns 70% de recuperação?

Em se falando de vida pessoal, a busca sempre seria por profissional que desse o maior acerto, que tivesse sido recomendado por amigos, parentes, pessoas que já desfrutaram de seu trabalho profissional, com êxito, não é?! Isso é importante!

Agora voltemos aos números das pessoas jurídicas e físicas, as firmas, as empresas, os empregadores domésticos, os profissionais liberais, entre outros, que sejam produtivos.
Imagina que trabalhas sem vínculo empregatício; tens uma renda variável comparando de um mês para outro; sem possibilidade de projeção de um valor médio de renda, porque trabalhas sob demanda, ou seja: se cliente solicitar teu serviço, entras em ação e auferes renda. Terias obrigatoriedade de preencher Livro Caixa?
Ou, se diriges um empreendimento comercial, o qual tem vendas diárias, mensais, e que carece de alguém que apure os tributos devidos e os resultados. Vem a pergunta: Buscarias o atendimento de um profissional, ou de uma organização contábil, sem um bom nome; de quem já atenda algum conhecido teu, o qual te dá boa referência; alguém que te dê certeza de 70% de exatidão nos cálculos dos tributos e do resultado; ou alguém que te dê tranquilidade de exatidão em seus serviços?

Neste 05 de Agosto, em homenagem ao médico Oswaldo Gonçalves Cruz, nascido em 05/08/1872, se comemora o Dia Nacional da Saúde com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da educação sanitária e a ter um estilo de vida mais saudável.

Quem ama, trata de si e do seu empreendimento!

Edvino Borkenhagen
Figura Cortesia: Solutudo, Bauru

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 05/08/2022 – Ano XXV – Mensagem 1.254
Leitura crítica antes de publicar, por: Alessandra Savedra da Veiga

BORKENHAGEN 39 ANOS  INCENTIVANDO O CUIDADO COM A SAÚDE!

 

Deixar uma resposta