Quanto vale uma boa informação? III

Coluna Mensageiro
– Quanto mais se aproxima o dia da eleição, eleitores que apoiam ambos os candidatos pensam estarem se baseando em pesquisas sérias para saber se o seu candidato está indo bem, ou não.
A pesquisa efetiva, é o resultado da urna eletrônica, pois ela mostra a opção de todo o universo de eleitores, não apenas daquele extrato escolhido pelo instituto de pesquisa. Que cada qual se empenhe em conquistar os votos necessários para a eleição de seu candidato!

Pois é, lembramos das 2 edições anteriores, do vaidoso príncipe Hamã, da Pérsia, o qual odiava o judeu Mordecai, porque não se inclinava quando ele passava, a ponto de, aconselhado por sua esposa, ter construído uma forca para o judeu, tio da rainha Ester, a qual havia feito um banquete numa noite e repetido o convite ao rei Assuero que trouxesse junto o príncipe Hamã.
Hamã havia vindo ao rei para pedir que enforcasse a Mordecai, mas o rei falou antes, e perguntou o que se deveria fazer a alguém a quem o rei deseja honrar?
O vaidoso logo pensou: De quem pensaria o rei senão de mim?!
E apresentou uma lista de honrarias, inclusive que montasse no cavalo do rei e em sua cabeça lhe fosse colada uma coroa real.
O rei concordou e disse: Prepare isso imediatamente ao judeu Mordecai, e não omita coisa alguma do que relacionaste! Assim teve ele que levar Mordecai pela praça da cidade e ainda dizer em alta voz: Assim se faz ao homem a quem o rei deseja honrar!

Hamã voltou envergonhado para casa, mas logo o buscaram para o banquete, da segunda noite, da rainha Ester.
Naquela oportunidade a rainha Ester denunciou ao rei o que Hamã havia tramado contra Mordecai e todo o povo judeu.
A rainha disse que seu povo havia sido vendido para os matarem e aniquilarem.
Se ainda como servos e como servas tivessem sido vendido, mas não!
A determinação é de que todo meu povo seja aniquilado em todo o território do rei.

Surpreendido o rei perguntou: “Quem é esse e onde está esse coração que o instigou a fazer assim?
A rainha respondeu: “O adversário e inimigo é este mau Hamã”. O príncipe se perturbou diante do rei.
O rei, no seu furor, saiu do banquete e foi para o pátio. Hamã ficou, para rogar por sua vida, à rainha.
Quando o rei voltou do pátio, um eunuco que servia ao rei disse que na casa de Hamã, este havia construído uma forca para nela pendurar Mordecai, que falara em defesa do rei, não permitindo a conspiração.
E o rei determinou: “Enforcai-o nela!”.
Enforcaram-no e com isso o furor do rei se aplacou.

Como “Palavra de rei não volta atrás” e ao príncipe Hamã o rei havia permitido, com o selo do anel real, determinar a matança dos judeus, agora por ato do rei, que havia tirado o anel de Hamã e dado a Mordecai, não podendo revogar o decreto de Hamã, orientou à rainha Ester que escrevesse um decreto e o enviasse aos judeus de todo o território, que eles estariam autorizados a resistir quando alguém viesse contra eles para os aniquilar. Assim foi feito.

Então, no dia 13 do 12º mês, como Hamã havia determinado, quando os os inimigos dos judeus vieram para os aniquilar, sucedeu o contrário, pois os judeus é que se assenhorearam dos que os odiavam, e ninguém lhes conseguia resistir. Até os os príncipes das províncias e os governadores, e os oficiais do rei auxiliaram os judeus, pois sobre eles tinha caído o temor de Mordecai.

Se teus propósitos forem bons, Deus apoiará!

Edvino Borkenhagen

Coluna Mensageiro – Registro 0123526, 18/08/2003 – Títulos e Documentos
Publicada em 28/10/2022 – Ano XXV – Mensagem 1.266
Leitura crítica antes de publicar, por: Christian Zanardini Pacheco

BORKENHAGEN 39 ANOS  VALORIZANDO A SINCERIDADE E A VERDADE!

 

Deixar uma resposta